terça-feira, 11 de abril de 2006

Day dream?


Comprei o último disco da Jacinta. Não estou arrependido. Mas a rapariga teve muito má ideia em querer cantar alguns standards em português (pelos vistos, por sugestão do saxofonista Greg Osby). Se a intenção de Tiago Torres da Silva (o letrista) de manter a sonoridade original, até foi bem conseguida (p.e. I’m beginning to see the light / Meu amigo decide lá), já não se pode dizer o mesmo do resultado final. As letras são quase sempre fracas. E se é para manter a sonoridade então que se cante em inglês.
Mas não se pense que a língua pátria me desagrada. Tem é que haver alguma sensatez.
O excelente arranjo da Canção de Embalar, de José Afonso, engendrado por Greg Osby, é outra conversa. Provavelmente a melhor faixa do cd. E a melodia, como se sabe, é belíssima, sendo que o poema não lhe fica atrás.
Se a música permite uma grande liberdade de interpretação, de recriação (os standards são um poço sem fundo, como diz José Duarte), a letra (a poesia?), exige, a meu ver, alguns cuidados.