domingo, 18 de junho de 2006

EPC

Na sua última crónica do Público, antes de viajar para Macau, Eduardo Prado Coelho vê-se a braços com uma praga de borboletas. A propósito destas, afirma serem os seus obsessivos coleccionadores “normalmente espíritos perigosos, capazes de raptarem jovens adolescentes”. Eu não me considero um coleccionador, muito menos obsessivo, de borboletas, mas já várias vezes me maravilhei com os espantosos cromados e com a graciosidade do insecto alado. Correrei, eventualmente, o risco de me transformar num raptor de jovens adolescentes?

Carlos Chaves