sábado, 23 de maio de 2009

Ainda o anúncio das barragens da EDP

Não sou contra as barragens só porque sou. Concordo que a sua construção é necessária (o computador onde escrevo estas balelas, por exemplo, até está ligado a um ficha eléctrica, cuja energia é proveniente de uma barragem). Mas aquilo que toda a gente sabe, é que o impacto que uma nova barragem causa em todo um ecossistema é sempre devastador. Quanto muito, o que se faz (ou se devia fazer) é minimizar os danos ou criar alternativas. E isto, ao contrário do que é dito taxativamente na actual campanha publicitária da EDP, não protege as espécies. De modo algum. O anúncio é de um mau gosto atroz. É maquiavélico. A ideia de projectar uma natureza "virtual" no imenso muro de betão é gozar com a cara das pessoas. É fazer delas estúpidas.

Mas, se as pessoas não são estúpidas, fazem-se. Porque a verdade é que a maioria está-se a borrifar para o assunto. O mais provável é a musiquinha do anúncio (da lavra do inefável Paulo Gonzo) ainda vir a ser a banda sonora de uma novela da TVI.